Segurança Alimentar na Praia

 

“Bolinhaaasss”

Quando num belo dia de praia se ouve o grito da alma, logo os pensamentos sobre dietas dissipam-se e só pensamos naquela delícia. 

Contudo, alguma vez se questionou se este produto pode ser vendido nas praias?

Sim. “A venda de produtos de pastelaria, nomeadamente de “Bolas de Berlim” (com ou sem creme), nas praias, não está sujeita a qualquer impedimento legal, pelo que, a sua comercialização não é proibida. Os produtos comercializados devem ser provenientes de estabelecimentos de fabrico devidamente licenciados; os vendedores ambulantes têm de dispor do título de exercício da atividade; e as condições de transporte têm de ser adequadas para o efeito (higiene e temperatura).”- À mesa 100 mitos- DGAV.

Contudo, podemos levantar ainda a seguinte questão: a lei permite a venda destes produtos sem refrigeração? Com este calor, será que as bolas estão em bom estado para consumir?

Na verdade, a lei permite a venda de produtos de pastelaria na praia, desde que estejam bem acondicionados. A refrigeração não é obrigatória, visto que habitualmente estes produtos são comercializados e consumidos num curto espaço de tempo. A fiscalização do cumprimento destas regras é feita pela ASAE – Autoridade de Segurança Alimentar e Económica.

Também os cremes que hoje comemos estão preparados para suportar temperaturas superiores às temperaturas de refrigeração. 

Para os menos amantes de bola de berlim, temos a delgada e crocante bolacha americana, Um produto mais seguro do ponto de vista de segurança alimentar devido ao baixo AW – actividade de água. 

AW, de uma forma muito genérica é a quantidade de água disponível nos alimentos. Se pensarmos que os microrganismos necessitam de água para se desenvolverem, percebemos facilmente que produtos com AW baixo tem probabilidade de proliferação bacteriana inferior, logo risco inferior. Por essa razão a bolacha americana poderá ser uma escolha mais segura para um dia quente de verão.

Fiquei agradavelmente surpreendida por perceber que este produto – bolacha americana- evoluiu no que diz respeito a regras de embalamento, apresentando-se agora em embalagem própria e selada e com a informação nutricional correspondente (ingredientes, tabela nuticional, validade, alergénios e identificação do produtor).

A engenharia alimentar tem-se esforçado para garantir a segurança alimentar também nas praias, afinal são vendidas cerca de 200 000 bolos de berlim por dia.